República em condomínio: dicas de convivência República em condomínio dicas de convivência

As repúblicas de estudantes dentro de condomínios geram apreensão para os síndicos, administradores e vizinhos. Afinal, a imagem de jovens universitários sem a supervisão de um adulto nos remete a festas regadas de muito álcool e música alta.

No entanto, alugar um apartamento para uma república pode ser bastante lucrativo para o proprietário, ainda mais em regiões próximas de universidades, faculdades e cursos preparatórios para o vestibular.

Como conciliar os dois interesses? Confira quais são as orientações no post de hoje:

É permitido transformar um apartamento em uma república?

Você sendo o proprietário do imóvel, isto é sim permitido. Existem dois tipos de contrato que podem ser firmados. Num primeiro, os quartos são alugados individualmente, por valores que variam conforme tamanho e acesso aos banheiros. No segundo, o apartamento inteiro é alugado para esse fim para um locatário.

Quartos alugados individualmente

Cada responsável pelo estudante fecha um contrato individual com o proprietário, indicando regras, valores, datas de pagamento, cauções e responsabilidades.

Nesse tipo de locação, o apartamento é mobiliado e contém todos os eletrodomésticos e utensílios necessários para a temporada dos estudantes. Eles, por sua vez, são responsáveis por trazer seus objetos pessoais. Os quartos podem ou não ser mobiliados.

Uma característica desse tipo de locação é que o proprietário ainda responde por quaisquer eventuais reclamações ou conduta indevida dos moradores do seu imóvel, o qual deve ser gerenciado e organizado por ele. É também de sua responsabilidade que os nomes dos estudantes que possuem acesso livre ao apartamento sejam deixados na portaria ou com o síndico do prédio.

Apartamento inteiro alugado

Nesse tipo de locação para república, o grupo de estudantes se organiza para encontrar um imóvel apropriado e fecham o contrato diretamente com a imobiliária ou com o proprietário. O contrato deve ficar no nome de alguém, que será o responsável pelo imóvel e o pagamento do aluguel, em geral, os pais de algum dos estudantes. O contrato nesse formato é tradicional e deve envolver um seguro-fiança o um depósito caução. O apartamento pode ou não ser mobiliado.

Nesse caso, ninguém pode controlar a quantidade de pessoas que moram no apartamento e é comum que os estudantes troquem de lugar. Embora alguns condomínios cobrem taxas adicionais por moradores, essa prática é ilegal.

Caso alguma conduta indevida seja observada ou caso algum morador esteja agindo contra o regulamento interno do prédio, ou mesmo contra a lei, é responsabilidade do locatário responder pelas reclamações diante do condômino.

Dicas de convivência entre os moradores da república e o restante dos condôminos

O principal ponto é que o regulamento interno seja sempre passado pelo síndico ou administradora do imóvel para todos os moradores do imóvel. Uma forma de fazer isso é pedir que o responsável pelo imóvel avise quando algum morador for substituído, e peça que o novo estudante se apresente na portaria, apresentando seus documentos pessoais, entregando uma foto para a ficha de acesso e assinando o termo que indica que leu e concorda com as regras do prédio.

As regras para festas são as mesmas que valem para o restante dos moradores. O consumo de substâncias proibidas e o barulho, principalmente quando inicia o horário de descanso que deve ser sempre respeitado.

Por fim, infrações devem ser discutidas em assembleia e o responsável pelo imóvel deve recebera notificação e/ou aplicação da multa.

Existe alguma república de estudantes no seu condomínio? Quais são os principais problemas enfrentados? Compartilhe conosco nos comentários!